As armas da persuasão – como os conceitos de Aristóteles podem ajudar nas vendas da sua empresa de turismo

 Em Marketing, Relacionamento

2_9 II

Desde os primórdios, Aristóteles ensinava sobre persuasão e os seus princípios são válidos até hoje. Persuasão trata-se de uma estratégia de comunicação que a gente pode aprender para fazer alguém aceitar o nosso ponto de vista mais facilmente.

E, em termos de internet, onde circulam mil informações o tempo todo, têm mais sucesso em sua comunicação os sites que conseguem apresentar um ambiente persuasivo, ou seja, onde as pessoas percebem facilmente porque e para que ele existe.

Em outras palavras, se você tem um e-commerce de turismo e quer aumentar o tráfego dele, ou fazer com que seus visitantes se tornem consumidores, a persuasão é a estratégia perfeita para que você chegue lá.

De acordo com Jeremy Smith, em “Técnicas de Persuasão”, existem três formas de fazer essa mudança em seu site. São elas:

 

Primeira – gere confiança. As pessoas precisam confiar em seu site, no seu conteúdo, na sua legitimidade. Ele deve mostrar, antes de tudo que as pessoas podem confiar em seus serviços, que eles são feitos e liderados por pessoas que sabem o que fazem e tem experiência  no ramo.

Segunda – emocione. As pessoas precisam experimentar uma conexão emocional com o site – aí entra a questão da experiência de navegação, para fazer com que o usuário entre e deseje comprar suas ofertas e pacotes.

Terceira – convença. É preciso não só que seu site seja amigável e fácil de navegar – você precisa convencer através de depoimentos de quem já usou os seus serviços, fotos de quem recomenda sua empresa de turismo, etc,  para que as pessoas se convençam que o seu negócio vale a pena.

 

Pensando neles, apresentamos três regras simples que Aristóteles com certeza te aconselharia a utilizar caso ele vivesse neste século.

 

Fale positivamente

Quanto mais positiva for a sua linguagem, é bem mais provável que as pessoas digam sim à aquilo que você propõe.

Troque frases com a finalidade de positivá-las. Basta trocar alguns gatilhos mentais para que as pessoas enxerguem o seu negócio de forma positiva. Fazendo isso, você melhora seu discurso e começa a atrair pessoas que estão em busca de soluções para seus problemas, colocando o foco para o benefício, e não no problema. Vivemos em uma “sociedade egoísta”, onde as pessoas só tomam uma ação quando recebem algo em troca – o que no fundo – não está errado, não é mesmo?

 

Conte histórias

As pessoas adoram histórias e estudos têm mostrado que histórias convencem mais que dados estatísticos – até Jesus Cristo usou parábolas para que sua mensagem atingisse com clareza e foco aquelas que o ouviam. As pessoas são movidas por emoções, por apelos emocionais – foque na experiência de viagem, no sentimento que ela pode proporcionar ao viajante. Feito isso, a venda é certa! Mais do que somente emocionar, histórias servem também para mostrar que sua empresa é capaz de proporcionar momentos incríveis ao seu cliente, aproximando o cliente da sua empresa e “humanizando” – fazendo com que ele se sinta à vontade em fazer negócios com você.

 

Liberdade

As pessoas gostam de comprar, mas quando percebem que estão sendo forçadas  a isso, acabam fugindo. Cuidado! Quando você mostra seu produto para as pessoas, deixe claro que ela é livre para decidir. Muitos clientes deixam claro que estão “cotando” preços com você e com a concorrência, então foque nos seus atributos, suas vantagens, seus apelos emocionais e deixe que ele faça a melhor escolha, deixe claro que é escolha dela se cadastrar ou não, comprar ou não.

Estar atento à essas dicas é fundamental para que o cliente se sinta bem ao navegar e experimentar tudo o que o seu negócio de turismo oferece. Use as armas da persuasão e conte depois pra gente se funcionou ou não. Vou ficando por aqui e até a próxima!

Artigos recomendados
Showing 2 comments
  • Fábio Andrade
    Responder

    Muito bom trabalho, excelentemente bem resumido e explicado, felicitações! Que seu negócio prospere cada vez mais.

    • Ana Karoline Sousa
      Responder

      Que bom que gostou, Fábio!
      Abraços!

Deixe um comentário