Como definir a margem de lucro de seus pacotes de viagens

 Em Agência de Viagens

margem de lucro

Não resta dúvida: para atrair a atenção de um cliente, é preciso oferecer um diferencial. Atualmente, a concorrência está aumentando progressivamente na área de turismo, fato que ocorre principalmente como consequência dos grandes eventos esportivos, como a Copa do Mundo em 2014 e as Olímpiadas em 2016, que deram grande visibilidade ao país. Não podemos nos esquecer, também, de que as empresas do setor estão tendo que lidar com um consumidor cada vez mais exigente. A grande pergunta é: como fazer para me diferenciar da concorrência e satisfazer esse novo perfil de cliente?

Existem, é claro, diversas estratégias para alcançar esse objetivo, mas sem sombra de dúvidas a precificação adequada é uma das principais delas. Segundo pesquisa realizada em 2014 pela Zoom, em parceria com a Consumoteca, os consumidores estão mais preocupados com os valores dos serviços e produtos oferecidos. 32% dos entrevistados buscam, acima de tudo, pelo melhor preço, enquanto que no ano anterior apenas 19% tinham essa preocupação.

Para precificar o seu produto corretamente, estabelecendo uma margem de lucro sustentável e competitiva, é preciso entender um pouco mais sobre os custos que envolvem a entrega de um serviço. No post de hoje vamos falar um pouco mais sobre como definir a margem de lucro dos seus pacotes de viagens!

Entendendo os conceitos de custos e despesas

O primeiro passo para definir qual será a margem de lucro do seu empreendimento é compreender todos os custos que envolvem as suas atividades para, então, precificar corretamente. Basicamente, todo empreendedor que comercializa produto e serviços – os pacotes de viagens podem ser enquadrados nas duas categorias – terá como custos os salários dos profissionais, os itens que envolvem a oferta, além das despesas variáveis (que são as comissões de vendedores, por exemplo), e as despesas fixas (alugueis, encargos tributários, dentre outros).

Definindo a margem de lucro

Ao estabelecer todos esses custos e despesas, o empreendedor terá definido o seu Ponto de Equilíbrio (PE), que, basicamente, é a estaca zero para ele começar a lucrar, ou seja, o momento em que ele já pagou todos os investimentos iniciais e consegue arcar com as despesas mensais sem a necessidade de colocar mais dinheiro no negócio – a não ser que seja para expansão. A partir disso, é fundamental realizar uma pesquisa para descobrir quais são os preços praticados pela concorrência para, então, definir a precificação dos pacotes de viagens da sua própria agência.

É claro que quanto mais completos forem os produtos e serviços oferecidos pela sua empresa, maior pode ser a margem de lucro. No entanto, a flexibilidade também é uma palavra-chave para este trabalho. É preciso considerar também o perfil do cliente para esta definição ou mesmo o ambiente econômico.

Adaptação do mercado

Acontece que, especificamente no caso do turismo, existem muitas variáveis que devem afetar essa margem de lucratividade. É o caso da alta do dólar, fato que desestimula muito a economia e, no caso desse setor, as viagens feitas pelos usuários. Nessas situações, reduzir um pouco essa margem de lucropor meio de promoções ou reduções no câmbio são essenciais, até porque,  não há como negar a influência dos aspectos macroeconômicos internacionais na precificação de produtos e serviços prestados na área.

Você já faz a precificação dos seus pacotes de turismo considerando seus custos e despesas? Não perca mais tempo e faça uma análise estratégica agora mesmo.
Caso tenha alguma dúvida, aproveite os comentários abaixo para compartilhá-las. Podemos auxiliá-lo com dicas pontuais para desenvolver este trabalho com eficiência!

Artigos recomendados

Deixe um comentário

planejamento de marketing